Edição Nº 14 | Data : 20/12/2006

Página inicial

BEM-VINDO(A) à Seção O Assunto é...

A INSERCAO DO MARKETING NOS ESCRITORIOS DA ADVOCACIA


Por Marco Antonio P. Gonçalves


O marketing jurídico é uma vertente bastante especializada do marketing de serviços profissionais, que está começando a ganhar força no Brasil, onde existe como atividade formal há uns cinco anos. É uma atividade ainda muito recente e que tem um longo caminho pela frente, principalmente se pensarmos que nos Estados Unidos o marketing jurídico é trabalhado como atividade formal há mais de vinte anos. A título de exemplo, o ano de 2006 marcou o 20º aniversário da Legal Marketing Association. A associação é voltada para profissionais de marketing jurídico e, apesar de a maioria dos membros serem norte-americanos, conta com representantes de outros países, incluindo o Brasil.

Falando em nosso País, sabemos que os escritórios brasileiros, principalmente os de médio e grande porte, evoluíram bastante em termos organizacionais ao longo das últimas décadas, apresentando uma estrutura administrativa cada vez mais complexa. Qualquer escritório nos dias de hoje conta, em maior ou menor grau, com áreas administrativas, tais como: finanças, recursos humanos e informática. Em escritórios menores, essas atividades normalmente são realizadas por terceirizados ou por um profissional administrativo do tipo “faz tudo”.

Quem aparentemente fica de lado é a atividade formal de marketing, ainda pouco presente nos escritórios, assim como o debate em torno de temas essenciais, como planejamento estratégico. Outro advento, que ainda é raro, é a existência do chamado administrador legal, um profissional que atua como um CEO (chief executive officer), um superadministrador que supervisiona toda a administração de um escritório e que, em muitos casos, tem poder semelhante, ou superior, ao dos sócios para assuntos administrativos, e muitas vezes estratégicos, que ditam os rumos do escritório.

O marketing jurídico representa algo novo e, nesse sentido, sua adoção reflete uma mudança interna. E mudanças, como sabemos, causam as mais variadas reações, não necessariamente positivas, nas pessoas. Logo, o marketing pode ser considerado um intruso nos escritórios, quando existe, e, de maneira geral, tem uma atuação periférica ao planejamento estratégico. E, para não dizer que esta situação só acontece no Brasil, ela pode ser observada mesmo em países mais avançados no tema, como os Estados Unidos.

Os desafios são muitos e existem, basicamente, porque o conceito de marketing em um escritório vai de encontro ao status quo dos advogados. A Advocacia atua hoje como há cem anos e, de maneira geral, tem trazido resultados para muitos advogados, estabelecendo-se como uma profissão honrosa, estável e que garante, muitas vezes, mais do que a mera sobrevivência, por que mudar? É realmente necessário? O que esse marketing tem de tão importante? Enfim, por que fazer marketing?

O “por que fazer marketing?” é um questionamento interessante, pois, de uma forma ou de outra, e em maior ou menor grau, os advogados fazem marketing. Sempre o fizeram, só que de modo intuitivo, subliminar e totalmente desprovido de qualquer planejamento ou coordenação. É como a atividade de vendas, a palavra “proibida” da Advocacia. Todos os advogados vendem, só que o fazem de modo subliminar. O advento do marketing jurídico pressupõe, simplesmente, que essas atividades deixem de ser feitas de modo descentralizado e passem a ser formalmente coordenadas por profissionais de marketing, ou mesmo advogados, mais afeitos à disciplina. O importante é que haja coordenação, de modo a se planejar e realizar ações de marketing que tragam retorno para o escritório. E tudo, é claro, sempre de acordo com o Código de Ética e Disciplina da OAB e o Provimento 94/2000.

Para que o marketing seja bem-sucedido, com resultados concretos, é preciso vencer as diversas barreiras existentes, que normalmente remetem aos próprios advogados. Há um consenso entre profissionais que atuam com marketing jurídico, já bastante difundido, de que advogados, em termos gerais:

1- São individualistas, mesmo atuando em sociedade com outros advogados;
2-Não gostam de ter que escutar não-advogados;
3-São avessos ao risco, requisito essencial no mundo dos negócios;
4-Só fazem o que outros escritórios já fizeram e tiveram sucesso;
5-Não têm formação alguma na área de negócios;
6-Não têm foco nos clientes que atendem;
7-Não entendem e não se interessam em entender os negócios de seus clientes;
8-“Não têm tempo” para atividades de marketing;
9-Não recebem incentivos para realizar atividades de marketing.

Esses e outros desafios podem ser sumarizados no grande desafio que é o de envolver e efetivamente integrar os advogados nas ações de marketing. Esse é o verdadeiro desafio, a fronteira final para aqueles que trilham o caminho do marketing jurídico, sejam eles profissionais de marketing ou mesmo os próprios advogados. E o ponto crucial é que, como vimos nos exemplos apontados, o grande problema reside no fato de que advogados foram educados para advogar e não para gerir negócios. E esse é um paradoxo interessante, se pensarmos que a maioria dos advogados trabalha em sociedade, formando de pequenos a grandes escritórios, muitos deles com atuação regional, nacional ou internacional.

A situação se torna ainda mais complexa nos pequenos escritórios, a maioria esmagadora dos que atuam no País. Por serem menores, são estruturas compactas e dispõem de menos recursos, o que nem sempre se traduz em áreas administrativas formais. São escritórios pequenos, mas que também precisam ser geridos, até porque, se tudo correr bem, espera-se que eles cresçam. Somente uma gestão planejada, calcada principalmente em ações de marketing, garantirá um crescimento ordenado.

Enfim, o caminho é longo, mas, nos escritórios onde já é desenvolvido, o marketing jurídico tem tudo para triunfar, mostrar novas direções e ter a atuação estratégica que dele se espera. O escritório que adota o marketing jurídico, por meio de seus advogados, da contratação de um profissional ou de uma consultoria, mostra que, apesar de todas as barreiras existentes, está preocupado com a dinâmica do mercado. A concorrência é crescente, assim como o nível de exigência da clientela. Portanto, o caminho é a diferenciação pelo do marketing jurídico.

* Marco Antonio P. Gonçalves é profissional de marketing jurídico e autor do blog Marketing LEGAL (www.marketinglegal.com.br), sobre marketing jurídico e temas ligados à gestão de escritórios de advocacia. Formado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-graduado pela Fundação Getúlio Vargas, é membro da Legal Marketing Association (LMA), da Association of Legal Administrators (ALA) e do grupo de debates Marketing Jurídico Brasil.

 

conheça o
SINAJUR

Sistema Nacional de Assistência Jurídica
O SINAJUR (Sistema Nacional de Assistência Jurídica) é uma proposta de modelo democrático baseado na livre escolha pelo cidadão carente de qual advogado, público ou privado, o irá representar judicialmente ou emitir consulta jurídica, ficando assegurado o direito de escolha e o princípio da confiança no causídico; de atendimento jurídico baseado na livre escolha do cidadão de quem o irá representar.

Carente deve ter direito de escolher seu advogado de confiança, seja público ou privado, sob pena de grave violação dos direitos humanos e limitação do próprio direito defesa e de liberdade.

É também um projeto social sem fins lucrativos.

Visa ampliar a oportunidade de trabalho para recém-formados e do atendimento jurídico - envolvendo iniciativas privadas, estatais e sociais englobando Municípios, Cooperativas de Serviços Jurídicos, Sindicatos, ONGs, OSCIPs, escritórios-modelo de faculdades, Defensorias, Advocacia Pro Bono convênios com a OAB, Planos de Atendimento Jurídico com pagamento mensal, Tribunais Arbitrais e Juizados de Conciliação – e a divulgação de informação jurídica através de meios de comunicação para atingir coletivamente a população.

Home |
O SINAJUR |
Contato |

 
......................................
 
Enquete
AVISO: A Equipe Sinajur estará em recesso entre os dias 22 de dezembro de 2006 e 06 de janeiro de 2007. Nesta edição, portanto, não teremos enquete. O mesmo aviso serve para as salas de debates na intranet, as quais terão suas atividades encerradas no dia 20 de dezembro, às 20h, e serão reabertas a partir do dia 06 de janeiro.
 

Obs.: Este informativo não é um spam e não tem a intenção de invadir a sua caixa postal com conteúdo indesejável. Por gentileza, caso você não queira ler ou participar das atividades propostas neste Informativo, cancele o recebimento. Para tanto, basta enviar um e-mail para cancelar@sinajur.org.
 
......................................
 
EDITORIAL
 
Este informativo virtual é uma realização do Sistema Nacional de Assistência Jurídica - SINAJUR. Por meio de conteúdo interativo, este veículo de comunicação se propõe a informar, analisar novas propostas, incentivar a criação de idéias – sérias, inovadoras e eficientes – e a debater temas polêmicos dos sistemas Jurídico, Político e Social.

O Informativo On-Line SINAJUR pretende, também, agregar mais conhecimento e fomentar a interatividade entre o veículo e o cidadão-leitor.

Caso queira participar, basta selecionar o tema de seu interesse, clicar no link proposto e interagir, com opiniões, comentários, argumentos contrários etc. Em suma, este é um veículo em que o leitor(a), além de ter acesso à informação democrática, ainda tem voz ativa nos debates propostos.

Seja bem-vindo (a)!
 
......................................
 
Resultado Enquete
Edição 13
 
1) Você acha razoável o valor de R$ 20,00 mensais para consultas aos advogados?
Sim, 107 votos
Não, 44 votos
Total de votos - 151votos
......................................
APOIADOS E APOIADORES

Justiça Restaurativa
 
......................................
 
Glossários
 
Entenda direito como funciona
o Direito
 
......................................
 
Acervo de Artigos
 
ADVOGADO POBRE
Por Elias Mattar Assad

O IMPORTANTE PAPEL DAS ASSOCIAÇÕES DE ADVOGADOS
Por Marcelo Di Rezende Bernardes

DEMOCRACIA E CONTROLE DO JUDICIÁRIO
Por Luís Carlos Lopes

JUSTIÇA RESTAURATIVA - A era da Criminologia Clínica
Por Renato Sócrates Gomes Pinto

A TERMINOLOGIA JURÍDICA E OS RISCOS DE UMA TRADUÇÃO INADEQUADA
Por Luis Henrique Ventura

A INFLUÊNCIA DAS RELAÇÕES PESSOAIS SOBRE A ADVOCACIA E O PROCESSO CIVIL BRASILEIROS[1][1]
Por Luiz Guilherme Marinoni e Laércio A. Becker

O ADVOGADO E A CIDADANIA
Por João Baptista Herkenhoff

AS DIRETRIZES CURRICULARES E O DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS NOS CURSOS DE DIREITO: O EXEMPLO PRIVILEGIADO DA ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR
Por Paulo Abrão e Marcelo Dalmás Torelly

NOVA VISÃO DO INSTITUTO DA LESÃO À LUZ DO CÓDIGO CIVIL DE 2002.
Por Cláudio Junio Leocádio

JUSTIÇA SOCIAL, IGUALITARISMO E INVEJA: A PROPÓSITO DO LIVRO DE GONZALO FERNANDEZ DE LA MORA
Por
Eduardo O. C. Chaves

PUBLICIDADE DE SERVIÇOS SEXUAIS E SUAS IMPLICAÇÕES NO ÂMBITO JURÍDICO EM FACE DA PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE
Por Luiz Antônio Miguel Ferreira e Letícia Lourenço Pavani
s

PRESTAÇÃO JURISDICIONAL CÉLERE E SEGURA - Um desafio para o Poder Judiciário contemporâneo
Por Dr. José Luiz de Moura Faleiros

A ETERNA BUSCA DA IMORTALIDADE HUMANA - A terminalidade da vida e a autonomia: viver a própria vida e morrer a própria morte
Por Diaulas Costa Ribeiro


DO DIREITO DE MORRER
Por Hélio Schwartsman

 
Acervo de Entrevistas
 
Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, Dr. José Renato Nalini. livro “A Rebelião da Toga”,comunicações e relações entre a Imprensa e o Poder Judiciário, questões polêmicas do sistema jurídico.

Procurador da República/MG, ex-Procurador Regional Eleitoral/MG, Mestre e Doutor em Direito, Dr. Eugênio Pacelli de Oliveira Justiça Eleitoral , Código Eleitoral ,TRE, TSE, Juizado Especial.
SINAJUR © Sistema Nacional de Assistência Jurídica. Criado em Fevereiro de 2006.
site: www.sinajur.org - email:
:sinajur@sinajur.org
Atendimento à Imprensa:
zascom@sinajur.org | Contato do leitor: contato@sinajur.org
Aviso:
Ao Observatório da Justiça fica reservado o direito de excluir mensagens que desrespeitem a lei ou a dignidade humana, apresentem linguagem obscena e/ou de baixo calão, sejam anônimas, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto dos debates.

O SINAJUR não presta consultoria e/ou assessoria jurídica. O objetivo deste veículo de comunicação é, principalmente, incentivar a participação dos cidadãos em debates de interesse social e divulgar a proposta de criação de um sistema integrado de atendimento jurídico
 
 
Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial sem prévio consentimento dos autores, por qualquer meio ou processo.